terça-feira, 22 de novembro de 2011

O PEIXE-PÁSSARO

                                                                            AnaAnjos

Olhou pela janela…

Tinha saudades do mar!

O céu azul fazia aumentar-lhe as saudades…

Ao pé do mar o céu é sempre maior e mais azul. Pensou. 

Mas por mais que tentasse não conseguia chegar à sua praia, o mar estava longe, tão longe que nem no búzio que tinha pousado na sua secretária conseguia ouvi-lo!

Se ao menos conseguisse ouvir o Chapim azul que costumava aparecer no jardim da escola da praia. Às vezes era surpreendida pelo seu canto… gostava até de pensar que era um poeta que a visitava e do alto do arbusto mais despido do jardim lhe ensinava palavras que nem sonhava existirem.

Só na primavera percebeu porque se tornava no mais belo o arbusto mais despido do jardim. Certamente seria por causa das palavras do poeta, quer dizer do pássaro!

Estava quase a sair da janela, mas não, não era possível, o que viam os seus olhos?!

Um enorme Peixe-Pássaro voava mesmo à sua frente! Agora sim, ouvia finalmente o MAR.

1 comentário:

Ana disse...

Dentro, de si, da Professora Alexandra, da Professora Célia... há: um peixe-pássaro, um comboio que sobrevoa as nuvens, um avião-submarino, um livro aberto com tanto para ensinar e partilhar (vê-se nos olhos das crianças que brilham pelos corredores dessa escola).
Claro que não ando nesses corredores!!!

Como sei?
Vejo a felicidade de todos, os meninos, quando saem da escola com tanto para contar.

NOTA: Deveria ser obrigatório regressar à escola quando algum adulto esquecesse a importância de ler, e partilhar, um livro e de como é bom brincar e aprender.

Peço desculpa. Porém tenho dito!