domingo, 17 de fevereiro de 2013

O CAMINHO... ( PRINCÍPIO DE HORIZONTE )




O caminho para a escola tinha três curvinhas…

E nele, aparecia todas as manhãs uma menina de trancinhas.

Quase sempre amuada, por causa dos vestidos que a Mãe a obrigava a usar.

Mas logo ao desfazer a primeira curvinha, a menina esquecia o vestido e ficava presa, ao voo dos pardais, às cores das florinhas que aconteciam nos muros e nas pedras do caminho.

Sempre tivera especial predileção por estas, que acontecem em lugares inesperados e quase impossíveis. Flores que voam, sabe-se lá de onde para perfumar lugares e caminhos. Como o rosmaninho. Tão deliciosamente perfumado. Adorava embrulhar-se-lhe no cheiro e pensava, que bom devia ser, dormir numa cama de rosmaninho e acordar mais perfumada que a manhã. Cumprimentando, os bichinhos de conta, as borboletas, os caracóis, as joaninhas… E todas as outras flores.

Na segunda curvinha, espreitava o lago e o jardim do palacete já em ruínas.

Debruçada sobre os olhos tristes dos peixes, tentava descobrir o fundo ao lago, talvez houvesse nele uma passagem secreta para um lugar, uma ilha, onde os peixes fossem felizes…

Do jardim, agora entregue ao passar do tempo. Restavam anjinhos desgrenhados com sorrisos de meninos esculpidos nos arbustos. Flores exóticas e raras, misturadas com as silvestres e ervas daninhas. Que mistério encerraria aquele jardim? Quem se teria passeado nele? Quem teria alimentado de felicidade os olhos dos peixes do lago? Que bom devia ter sido, ficar por ali a desfiar silêncios…

E quem teria morado na casa enorme que agora se desfazia em montinhos de pedras pintadas, que ajudavam a colorir o caminho?!

A menina adorava aqueles mistérios e os seus olhinhos de perguntar nunca se cansavam. Mas teria de apressar-se para a terceira curvinha.

Eis que aparecia a curvinha da escola. A curvinha com porta. Onde o mistério e encanto eram palavras quase proibidas. Onde, os pardais, as borboletas, as joaninhas, as florinhas e os bichinhos de conta não contavam para nada. 

Mas a menina sabia, que às vezes é tão bom ser bichinho de conta e ficar enroscadinha no quentinho da terra sem ninguém a aborrecer-nos.
A escola vale o que vale, mas todo o encanto estava nas outras curvas do caminho…

Nas manhãs, em que sentindo-se flor voava nos braços do vento e pousava na beira do lago do velho e misterioso palacete.

4 comentários:

Lídia Borges disse...


Um conto que me traz à memória o que alguém, um dia, me contou sobre uma vinda do diabo à terra.
Dizia-se, em tempos idos, que o mafarrico ao ver as crianças livres e felizes, correndo e brincando nos bosques, em plena harmonia com animais e plantas, exaltou-se de tal forma com a alegria e o riso de felicidade dos pequenitos que, quando chegou ao inferno, depois de ter pensado uns dias, mandou que se construísse a primeira escola... :)

Um beijo

Gostei muito do testo.

Júlia disse...

Adoro quando escreves assim!
Encanto é o que não falta no teu caminho. E é bom saber como "arrancas a porta " e sabes abri-la de par em par, porque como dizes; a escola vale o que vale e o que interessa está nas curvinhas do caminho. E não admira que gostes tanto de bichinhos de conta.És tão parecida com eles!
Beijinhos.

Diana disse...

Gostei da foto, aquela traça é-me familiar!!! :)

Mar Arável disse...

Uma ternura