domingo, 23 de dezembro de 2012

POSTAL DE NATAL...COM GAIVOTAS





Desde que a casa dos Avós deixara de ser grande que passava o Natal na praia.

Por dentro a casa fervilhava em Natal. Mas a praia estava maravilhosamente deserta como noutras manhãs de dezembro. E hoje o céu resolvera embrulhá-la em azul luminoso.

Aninhou-se na areia e pensou como lhe agradava que por ali não houvesse nenhum vestígio de Natal! Era como se este tivesse levado um empurrão do vento ou uma bicada de gaivota e não se atrevesse a pôr ali os pés. Aliás, o que importava às gaivotas que fosse Natal no calendário?!

Desde que pudessem escolher livremente um cantinho de mar, subir ao alto das rochas, planar sobre o azul…

A qual preocuparia dizer só hoje aos amigos que gosta deles, que lhes sente a falta, usando SMS ou correio electrónico repetido e desprovido de emoções?!

A qual preocuparia ter uma mesa farta em inutilidades que só conseguem comer com os olhos?!

As gaivotas sabem que entre elas não são todas iguais!

É verdade, não lhe apetecia Natal. Mas não conseguiu abandonar a praia sem deixar na areia uma árvore de conchas encimada de estrela-do-mar.

Depois correu em direção a casa para escrever abraços em postais de Natal com gaivotas.



2 comentários:

Júlia disse...

Querida Amiga,
Não precisa apetecer Natal no calendário a quem sabe fazê-lo a cada minuto da vida!
Adorei "o abraço escrito em postal de Natal com gaivotas."

cilinha disse...

olá Professora Teresa !!! passei para lhe desejar um Feliz Natal com muita Paz e muitas prendinhas .

beijinho e um Santo Natal


o blog é novo agradeço a sua visita
bjs